Image and video hosting by TinyPic
Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2015

"FAZER DE MORTO"

"(...) além da contestada estratégia de ‘fazer de morto’, também já há quem questione António Costa pela táctica ziguezagueante das presidenciais, ao dar ideia de que António Guterres não é uma aposta segura e avançar nomes como os de Sampaio da Nóvoa ou António Vitorino para o debate público. O facto é que o PS não descola da direita nas últimas sondagens, mas o núcleo duro de Costa tenta não mostrar preocupação.

Entretanto, o que resta da oposição interna vai-se recompondo da derrota de António José Seguro, mas não se manifesta. Oficialmente, todos estão com o líder.
A primeira prova de fogo da unidade interna está marcada para a próxima semana. É já no dia 31 que se reunirá a Comissão Nacional, e será a primeira vez que a oposição interna terá oportunidade de fazer ouvir a sua voz. Em discussão estará um tema que foi uma bandeira de Seguro: as eleições directas para aprovar as listas de deputados pelas estruturas distritais.
Até agora podia haver eleições directas, quando não houvesse consenso nas escolhas. Com Costa, as directas recuam, e as distritais voltam a ganhar poder de escolha dos deputados."

1 COSTA.jpg

 Mal-estar cresce no PS

A bancada lançou o primeiro alerta a António Costa contra a estratégia de ‘fazer de morto’ seguida pelo líder. 
Vão-se somando os sinais de nervosismo no PS. Críticas de alguns deputados quanto à estratégia seguida por António Costa, vozes a contestar a regionalização proposta pelo líder e as sondagens que dão uma curta margem entre a direita e o PS nas intenções de voto. Até às eleições legislativas, Costa vai gerir com pinças a agenda socialista.
“O PS no Parlamento tem dias. Há dias em que marca a agenda, coloca as questões com rapidez. Outros em que parece mais adormecido”, afirma ao SOL o ex-ministro de Sócrates, Augusto Santos Silva, apesar de ressalvar que o PS não pode ter uma “atitude demagógica”.
Na reunião da bancada socialista da semana passada, vários deputados criticaram o silêncio do PS nalguns temas políticos e pediram mais intervenção pública. O ex-ministro Correia de Campos escreveu mesmo, num artigo no Público, que “o PS tem de acordar”.
O discurso oficial é que o PS não pode fazer propostas que tenham impacto orçamental sem conhecer a situação macro-económica do país.
Por isso, o PS tem preferido dar relevância a temas sociais, como a violência doméstica e a adopção por casais gay. Uma gestão cautelosa com os olhos postos nas legislativas. “Não é altura de ter uma linha muito diferente da que tem sido seguida. O PS tem de fazer uma gestão inteligente do tempo que o separa das eleições”, afirma o dirigente socialista Sérgio Sousa Pinto.

In Semanário SOL 

http://www.sol.pt/noticia/122663

Etc e Tal às 15:40

Link do Post | Comentar
partilhar

SETÚBAL E ARREDORES - Cláudio Fernando:


..

TRADUTOR
TRANSLATOR

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish
... Image and video hosting by TinyPic ..

..
TOTAL VISITANTES
DESDE JUNHO 2007
Web Counter
NESTE MOMENTO OBRIGADO PELA VISITA ...

BLOG BARREIRO

"A PARAGEM DO 18"

Clique na imagem

<

...

SETÚBAL E ARREDORES - Cláudio Fernando:

... ...
.. ..

ARQUIVOS

Image and video hosting by TinyPic ..

..

-

.. Image and video hosting by TinyPic .. ...
CLIQUE AQUI:
... ...

-

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30